Resenha: E Se Fosse Verdade...

Oi gente, tudo bem com vocês? Estava sumida, mas agora voltei com uma resenha especial pra vocês. Foi com esse livro que se baseou o meu filme preferido e apesar de continuar preferindo o filme, o livro tem várias coisas distintas e uma história também muito interessante. Confiram então, a sinopse de E se fosse verdade:



Título: E Se Fosse Verdade
Autor: Marc Levy
Editora: Suma de Letras
ISBN: 9788581051352
Páginas: 232
Sinopse:
Lauren é uma jovem médica com muito potencial: faz residência no San Francisco Memorial Hospital, na Califórnia. Porém, sua carreira promissora é interrompida quando ela é vítima de um grave acidente de carro e fica em estado de coma. Com morte cerebral confirmada, ela acorda e descobre que está fora de seu corpo - incomunicável como um fantasma.
De uma forma misteriosa, Lauren consegue ser vista apenas pelo solitário Arthur, o novo inquilino de seu apartamento. Cético, ele leva algum tempo para acreditar na história da invasora, mas logo o sentimento entre os dois se torna algo a mais. Sem esperanças, os médicos e a família da jovem decidem fazer a eutanásia.
Agora, o casal terá que lutar para salvar o corpo de Lauren, e descobrir alguma forma de reuni-lo com sua consciência.




O livro vem falar da Lauren que é uma médica renomada, vive com sua cadelinha em São Francisco e não tem tempo pra nada a não ser o hospital onde trabalha. Ela vive por lá 25 horas por dia de domingo a domingo e não é brincadeira não. Ela leva o trabalho muito a sério e gosta do que faz. Só que um dia, em uma bela manhã que ela decide passear em seu dia de folga ela sofre um acidente de carro. Ela morreu mas não morreu. Houve morte cerebral, só que todos os outros órgãos dela ainda funcionavam e os enfermeiros tentaram a todo custo reanimar alguém que já estava morto. Já no hospital, um médico decide arrumar alguns ossos quebrados dela com uma cirurgia e a deixa por seis meses no quinto andar “viva” com a ajuda de aparelhos.

Até que um belo dia, um arquiteto aluga o apartamento de Lauren e a encontra dentro do armário de sua casa nova. Só que ela não está realmente lá, é somente sua alma que deixou de vagar por outros lugares para voltar a seu apartamento. Ela está completamente lúcida de que está em coma no hospital e conta a sua história para Arthur, que de uma maneira doida e aos poucos, acaba entendendo que só ele pode vê-la e que é o único que pode ajudá-la, pois os aparelhos do hospital do quarto de uma paciente em coma vão ser desligados e Arthur não pode deixar que sua nova “amiga” morra para sempre. E é  a partir de uma alma, que todos à volta de Arthur pensam que ele está louco e que não pode fazer o que pretende fazer por causa de um fantasma. Até onde ele irá para salvá-la?


-Por que está fazendo isso?
-Você não tem outra escolha.


O filme protagonizado por Reese Witherspoon e Mark Ruffalo foi lançado em 2005 e há muito tempo ele vem sendo o meu favorito de todos os tempos. No ano passado que fui descobrir da existência do livro e pensei comigo, "eu tenho que ler esse livro". Comprei e demorei um pouquinho pra ler, pois as diferenças absurdas entre as duas obras começam com os nomes diferentes dos protagonistas e o final do filme/livro. E digamos que o desenrolar dos dois é de uma forma totalmente diferente.



A história é narrada em terceira pessoa, o que dá pra ver ambos os lados com mais detalhes e eu pude ver isso. A diagramação do livro é bem simples, porém eu acho a capa sensacional. Eu já falei aqui que amo capas com sapatos e essa é mais uma da estante. Os pés do Arthur e saltos da Lauren levantados, o que indica um momento super fofo "lá em cima", já que só vemos as pernas do homem. O Arthur é o cara apaixonado mais desesperado e burro que eu já vi na literatura. Mas uma coisa está certa, quando é por amor a gente não pensa e vai com tudo. Deixa a gente meio burro. Pois é, amor. Ao longo da história é claro que surgiria um romance e eu gostei muito da forma com que foi tratado no livro. Essa é uma das duas partes que gostei mais do que no filme. Ele quis ajudá-la e de repente sem declaração nenhuma ou cerimônia já se viu apaixonado por ela e vice-versa. Eu achei isso muito legal.

A segunda coisa que eu amei no livro foi a mãe do Arthur. A gente conhece a história dele e de como ele ficou sem os pais muito jovem e essa parte eu simplesmente fiquei grudada na história. As cartas que ela escreveu pra ele, a doença dela, o amor que ela tinha pelo filho que era até maior pelo segundo homem que ela amou e que ela preferiu não amar por respeito ao pequeno Arthur, os sacrifícios dela e enfim a casa onde eles moravam que o Arthur acaba voltando pra lá depois de tanto tempo. É uma das partes mais emocionantes da história (que não se encontra no filme).


"Às vezes nada podemos diante dos nossos desejos, vontades e ímpetos. Isso pode provocar aflições insuportáveis e é uma sensação que vai acompanhá-lo a vida toda, ocasionalmente parecendo ser esquecida, mas outras vezes se mostrando obsessiva. Parte da arte de viver depende da nossa possibilidade de combater essa incapacidade. É difícil, porque ela frequentemente gera medo. Abala nossas reações, nossa inteligência, nosso bom senso, abrindo a porta para a fraqueza. Você vai passar por muitos medos. Lute contra eles, sem substituí-los por hesitações que se prolongam. Pense, decida e aja! Não tenha dúvidas, a incapacidade de assumir as próprias escolhas cria muitas dificuldades na vida. Cada questão pode se tornar um jogo, cada decisão tomada pode levar ao autoconhecimento e à autocompreensão."


Infelizmente, a Lauren não me agradou. Eu gosto de quase todas as protagonistas e com a Lauren foi diferente. Ela não conseguiu me conquistar e fazer com que eu torça por ela. Eu torcia pelo Arthur e pela felicidade dele, mas não por ela. A médica não conseguiu me cativar, pelo fato de eu achar que ela era muito seca ou ela não era tão presente quanto deveria e isso me incomodou/chateou. Ou seja, o Marc Levy deixou a desejar em alguns pontos, como dar mais emoção a Lauren enquanto morta-viva e a desenvolver a história em si, que demorei bem um tempo para ler, o livro é pequeno e a leitura não fluiu muito bem para eu ficar extasiada com o enredo. É uma boa história e eu fiquei metade satisfeita com o livro e o que me fez dar mais estrelas do que o esperado, foram as partes boas que me surpreenderam.

E Se Fosse Verdade serve para você que quer uma história não muito empolgante e parada, se você não tem dificuldade com leituras um pouco lentas para um livro com poucas páginas essa história é pra você. Ou talvez você só queira um romance onde o protagonista é a chave para tudo e que não aja drama em “eu te amo” ou “eu não quero ver mais você”, e sim em “eu preciso de você, não vou te perder” e “eu não vou deixar você morrer”.


 


12 comentários:

  1. nunca li o livro, mas ja assisti o filme, que era bem legal até!
    Bjs da LE
    Le Versos & Controvérsias

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro. Parece ser legal, mas a leitura não é para mim -_-
    Abraço!

    http://blogliterando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Engraçado como quando vemos o filme primeiro, acabamos gostando mais do que do livro na maioria das vezes né? A mesma coisa aconteceu comigo com Um amor para recordar, o filme é o meu preferido de todos os tempos, mas o livro deixou muito a desejar. E se fosse verdade é extremamente lindo também, seja como livro ou filme né :D

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem tag do skoob no blog, vem ver!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela resenha Bela! Já li E Se Fosse Verdade e amei! Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  5. Bom o filme já vi várias vezes e adorooo <3 Bem mais tarde que eu soube que tinha livro e sempre é só elogios as resenhas, quero ler.
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Quando assisti ao filme eu nem sabia que tinha livro :(
    Gosto muito do filme, então é provável que eu goste do livro.

    ResponderExcluir
  7. Oii Eli, tudo bem??? O livro eu não li, mas confesso que não tenho muito interesse. Mas o filme eu vi e amei <3
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Ainda não li o livro mas ja assisti o filme, quero ler pois muita gente indica. Parabéns pela resenha!.
    Abraço
    http://leituraforadeserie.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi
    Eu resenhei esse livro recentemente e gostei da leitura apesar de algumas coisas, o final não me agradrou, eu dei a mesma nota que você.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Sua resenha é tão sincera e a leitura dela flui tão perfeitamente que dá uma vontade tão grande de ler! Parabéns, você é uma ótima resenhista. Bjos

    arrasoumiga.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Tive o mesmo problema que você. Eu adorei o filme e, por isso, corri para comprar o livro, mas logo no início as diferenças absurdas me incomodaram. Acho que se eu tivesse lido o livro primeiro teria sido melhor, mas...
    Achei linda a relação entre o Arthur e sua mãe e também tive dificuldades em simpatizar do a Lauren rs.
    Adorei a resenha!
    Beijos,

    http://versosenotas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi
    eu gostei do livro, apesar do final ter decepcionado um pouco, mais vale a pena ler.

    http://momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir