[Divulgação] Conto: Em busca da Perfeição - Raquel Machado


Olá, gente!

Hoje trago mais um conto da Raquel Machado. Quem quiser conferir o primeiro conto, clica aqui.

Ser mais bela, Ser mais magra, Ser mais inteligente. Sempre mais. Sempre em busca da Perfeição. Será que isso realmente vale a pena? Leia o conto e descubra.

Em Busca da Perfeição
Por Raquel Machado

As batidas do meu coração soam como o barulho do tambor. A corrida é cansativa e parece não ter fim, o suor escorre pelo meu rosto. Olho para os lados em busca de distração. Poucas pessoas preenchem o ambiente, elas também estão em busca da perfeição.
Próximo aparelho. Luto contra a vontade de largar tudo e ir para casa. Todos os dias é a mesma rotina que não traz resultados concretos. Olho-me no espelho e vejo aquele ser nojento e enorme. É necessário ficar mais alguns minutos. As últimas pessoas vão embora e me deixam sozinha.
Chega! Caminho até a porta da academia. Está trancada. Chamo por alguém, em vão. A essa hora todos já foram para suas casas.
Uma vertigem me atinge e meu estômago reclama. Tento lembrar qual foi minha última refeição. A comida é o combustível para o monstro que eu carrego dentro de mim.
Volto ao salão e ligo a televisão. Retiro da bolsa o pequeno sanduíche natural e dou uma bela mordida, e me arrependo em seguida.

A propaganda mostra uma linda mulher apresentando uma nova técnica de emagrecimento, talvez essa funcione comigo. A mulher aponta para mim, tentado me alertar de algo, tento compreender o que ela diz. Olho para o sanduíche e vejo que minhocas saem de dentro e uma gosma amarela escorre por meus dedos.
Corro para o banheiro vomitar. Olho meu reflexo que sorri para mim. Ele conhece meus defeitos e acha engraçada minha tentativa frustrada de ser alguém melhor. As luzes se apagam.
Escuto vozes que me chamam. Vou até o salão e vejo que meu reflexo me seguiu. Ele ganhou vida própria e me chama em direção ao espelho, quer me contar um segredo. Eu obedeço e caminho em sua direção, ao chegar próximo ele desaparece, reduzido ao nada.
Alguém toca meu ombro, tenho medo de virar e me defrontar com tudo aquilo que tentei esconder até o momento. A curiosidade é maior que o medo e viro-me. Uma versão perfeita de mim, me encara.
As vozes voltam a me chamar. As reconheço. São as pessoas que passaram por minha vida, cobrando-me a perfeição: ser mais bela, ser mais magra, ser mais inteligente. Sempre mais. Choro desesperada. A minha versão perfeita me estende a mão, e eu entendo o que preciso fazer. Não é hora de parar. Volto ao local de treinamento e continuo meus exercícios. Incansável, até não escutar mais o barulho do tambor e nem minha respiração.
A luz do sol preenche o ambiente, outrora escuro. A porta se abre e passo por um corpo no chão. Vejo uma garota pálida e franzina, morta.

Conto em vídeo


Temos a versão do conto no wattpad também!




6 comentários:

  1. Conto curtinho, mas que já diz tudo, a realidade de muitas pessoas e que temos dificuldade em encarar que existe :/

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Escola Noturna - O Legado", vem conferir!

    ResponderExcluir
  2. Adoro contos ... E a autora é muito talentosa .
    A busca da perfeição nos dias atuais é um tema bem complicado . Infelizmente o que vale é o que está nas capas das revistas ...

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Lia

    A Raquel arrasa, né? Como pode um conto tão curtinho falar tanta verdade?!

    Beijo
    - Tamires
    Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir
  4. Oiiiiii Eli, ainda não sabia quem era essa autora e ela escreve muito bem. Por falar nisso super curti esse conto. Ela fala de um assunto atual e que merece ser mais discutido.

    Beijos flor
    Vento Literário / No Facebook

    ResponderExcluir
  5. fico contente em ver que a Raquel continua explorando seu lado criativo com primor! que venham mais sucessos!
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Lia!
    A escrita da Raquel é cativante.
    O conto é curtinho, mas e tão verdadeiro que é quase uma crônica.

    Beijos
    ​​​​LiteraMúsicas​ | Fanpage

    ResponderExcluir