Resenha: Ratos - Gordon Racee



Sinopse
Shelley e a mãe foram maltratadas a vida inteira. Elas têm consciência disso, mas não sabem reagir — são como ratos, estão sempre entocadas e coagidas. Shelley, vítima de um longo período de bullying que culminou em um violento atentado, não frequenta a escola. Esteve perto da morte, e as cicatrizes em seu rosto a lembram disso. Ainda se refazendo do ataque e se recuperando do humilhante divórcio dos pais, ela e a mãe vivem refugiadas em um chalé afastado da cidade. Confiantes de que o pesadelo acabou elas enfim se sentem confortáveis, entre livros, instrumentos musicais e canecas de chocolate quente junto à lareira. Mas, na noite em que Shelley completa dezesseis anos, um estranho invade a tranquilidade das duas e um sentimento é despertado na menina. Os acontecimentos que se seguem instauram o caos em tudo o que pensam e sentem em relação a elas mesmas e ao mundo que sempre as castigou. Até mesmo os ratos têm um limite.

Resenha


Sabe aquele livro que você compra, sem nunca ter recebido uma recomendação, nunca ter lido uma resenha, simplesmente pelo fato de estar em promoção e ter uma sinopse que chama atenção? Aquele livro que fica esquecido por um tempo até que você o pega para ler e "Wow" tinha uma bela surpresa te aguardando.
Foi assim com o livro Ratos. Me perguntei porquê demorei tanto tempo para lê-lo.



Shelley é uma jovem tímida de 15 anos, que ao mesmo tempo em que está enfrentando o divórcio dos pais, tem que passar a lidar com o bullying  que começa a sofrer na escola (de 3 garotas que eram suas melhores amigas na infância).
Ela não entendia o porquê de toda aquela crueldade, o que começou com piadinhas e brincadeiras de mal gosto, passou a se tornar agressões físicas, cada vez mais graves. Porém ela nunca ousou se impor ou contar para alguém o que estava acontecendo, pensava até em suicído, mas aguentava todas as agressões calada.
Sua mãe, uma advogada que tinha uma carreira brilhante pela frente, até casar-se e abandonar tudo a pedido do marido, tornando-se submissa á suas ordens. Após ser traída e trocada por outra mais jovem, viu-se obrigada a voltar a trabalhar em um lugar medíocre onde sofre humilhações diárias do seu chefe.
Elas se autodenominam como "ratos". Indefesas, passíveis, tímidas e submissas. Nunca ousam questionar ninguém, tampouco levantar a voz.

"Eu gostava de me divertir imaginando o brasão que usaríamos no peito – um rato em uma ratoeira, com o pescoço quebrado – e nosso lema “Nati ad arum” escrito sobre o desenho de um pergaminho desenrolado: Nascidas com o gene da vítima. Seria aquele o real legado da minha mãe para mim?"(p. 38)

No dia que Shelley sofre a pior da agressões, sua mãe toma conhecimento de tudo que vem acontecendo. Elas decidem mudar-se para um lugar longe de tudo. Afinal, elas são ratos, e como ratos, elas não iriam mover o céu e a terra para que as culpadas fossem devidamente punidas.Os ratos fogem dos gatos e foi isso que elas fizeram. Foram procurar uma nova "toca".
O chalé Madre Silva foi a escolha perfeita, longe da cidade, um ótimo lugar no campo, onde Shelley passou a estudar em casa. Tudo estava perfeito até a madrugada do décimo sexto aniversário de Shelley, onde algo inesperado acontece: Um gato entrou na toca dos ratos.

“Quando um gato entra na toca dos ratos, ele não vai embora deixando-os ilesos. Eu sabia como aquela história iria terminar. Ele mataria nós duas.”

Os acontecimentos daquela madrugada mudam completamente o rumo da história. E, mudam também a natureza e a percepção de Shelley e sua mãe. Não irei dar spoiler, pois iniciei a leitura sabendo mais ou menos o que iria acontecer e isso tirou um pouco da emoção, não completamente, é claro. Mas posso dizer que a partir daí, a tensão é alta e ela nos persegue em vários momentos da história.

O livro nos faz refletir sobre o que faríamos se estivessemos em tal situação, se concordamos ou não com o que se passa ali, com as atitudes de todos, e nos mostra até que ponto  uma pessoa pode ir quando está sob pressão, quando são levadas ao seu extremo. Revela a natureza humana.


O bullying é um dos principas assuntos no livro, o foco não é totalmente esse, mas ele é apresentado de maneira crua. É tudo tão real, que conseguimos sentir perfeitamente a crueldade das ações.
Não tem como você ler as partes que a Shelley narra sobre o bullying e não sentir o sangue ferver. Tanto pelas agressões gratuitas das "ex amigas", quanto pela passividade da Shelley. E isso só piora, quando você percebe como tudo é tratado com impunidade. O que infelizmente, acontece no mundo real, alguns agressores saem impune disso tudo. É revoltante!

"A realidade era exatamente o opostoda ordem e da beleza, era o caos e o sofrimento, a crueldade e o horror.[...] A realidade era um massacre diário de inocentes. Era um abatedouro, um açougue, forrado pelos corpos de inúmeros ratos..."(p.68)

A narração é em primeira pessoa, isso contruibui para que possamos sentir toda a tensão da protagonista. Há alguns momentos parados, que ficam até um pouco chatos durante a leitura, mas tudo é compensado com algum acontecimento tenso.

Não havia notado algumas caracteristicas da capa, até pegar o livro para lê-lo. Ela mostra uma parede (da cozinha), com uma casa de ratos no rodapé e aquilo não é so desenho, é recortado mesmo, o nome "ratos" fica na parte de trás da orelha, achei isso bem legal. Um detalhe que só reparei bem depois, foi a parede manchada de sangue. Essa junção de elementos se encaixa perfeitamente no contexto do livro. E, após lê-lo, você percebe que cada detalhe da capa foi muito bem elaborado.

Emfim, "Ratos" é um livro, cru, real, tenso e perturbador! Só posso recomendar para quem gosta de thrillers, de livros intensos. Pois vocês não irão encontar nenhum romance nele.

Espero que leiam!
Beijos



19 comentários:

  1. Eu já tinha muita curiosidade de ler esse livro. Agora, após a sua resenha, a vontade aumentou. Gosto de livros que falem sobre o bullying, pois é um assunto que, como professor, eu trato todos os dias.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de novembro

    ResponderExcluir
  2. Oie! Não conhecia o livro, mas creio que não seria um livro que eu leria por hora...
    Bjs, se puder comentar nessa resenha ajudaria muito: http://resenhasteen.blogspot.com.br/2014/11/ligeiramente-casados.html

    ResponderExcluir
  3. Nossa! Realmente a história me interessou! Parece ser muito boa mesmo. Quem sabe eu não leia um dia? Não conhecia o livro, mais vai pra lista de desejados sim :)

    Abraços!

    BLOG LITERANDO >> http://blogliterando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. OOOi,

    Já vi algumas resenhas sobre esse livro, sempre positivas. Acho que foi um assunto delicado muito bem trabalhado, parabéns ao autor. Eu até ia comprar, mas acabei pegando outro. Fica para uma proxima.
    Curti a resenha!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Eliana!
    Parece ser um livro muito tenso. Pela capa eu nem imaginaria que a história era sobre bullying. Gostei da dica!

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  6. Esse livro sempre me atrai por causa do preço, porém depois dessa resenha tenho mais outro motivo para comprá-lo.

    Beijos!
    livrosdawis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Já ouvi falar muito sobre esse livro, mas acredito que também faria como você e acabaria enrolando pra enfim começar a leitura. Talvez seja a capa que não chama assim taanta atenção, mas depois você percebe toda a conexão com a história. Parece ser um pouco pesada, e com assuntos bem reflexivos mesmo.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br
    Tem resenha nova no blog de "Ligeiramente Casados", vem conferir!

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Segunda resenha positiva desse livro, mas não sei se leria, não suporto ver gente sofrendo calada.

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Olá Eliana, gostei muito da sua resenha. Não conhecia esse livro. Que bom que você não se arrependeu de ter comprado e que acabou gostando depois rs Quanto ao livro, eu nunca li um livro nesse estilo, tão intenso. E pra falar a verdade, acho que nem gosto muito de livros deste tipo. Gosto mais de livros pra relaxar rs Mas achei bem interessante a história. E parabéns pelo blog, já estou seguindo. Beijos! :*

    estilolia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. MUITO interessante é que define essa resenha. Fiquei super instigada à correr pra uma livraria e comprar esse livro. Eu adoro romances, mas é sempre bom dar um tempo neles e ler algo diferente e intenso. Gosto de livros assim e já sinto que eu e esse livro seremos bons amigos hahah
    Beijos!

    vicioliteral.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Nossa, amei a resenha, me interessei bastante por esse livro. Vou procurar para ler !
    http://livros-textos-e-mais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Nunca li nada sobre esse livro, mas pra falar a verdade nem sabia que existia...rs
    Mas pela sua resenha, parece ser muito bom!!!

    Beijos, Bá.
    http://cafecomlivrosblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi Eliana!
    Nossa, pela capa nem dápara imaginar o tipo de história que iremos ler. Adorei a tua resenha e assim que a minha lista de leitura der uma diminuída irei procurá-lo para lê-lo.

    Beijos!
    Books and Movies
    www.booksandmovies.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oie!
    Esse livro parece ser um pouco perturbador sim. Fiquei agoniada lendo sua resenha e senti muita pena da Shelley e sua mãe. Essa questão de bullying e suicídio me fez lembrar do livro Os 13 Porquês. Você conhece? É um ótimo livro!
    Obrigada pela dica!!
    Beijos,

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Interessantíssimo, Eli! Já tinha gostado dele quando você o trouxe uma vez, acho que no quadro "Li até a página 100 e..." e me interessei realmente por ele... E agora que você não contou tudo, me deixou muito mais curiosa! Pode ter certeza que ele entrou na lista e vou procurá-lo!!
    Grande beijo ♥
    http://rabiscosecenas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Gostei da resenha Eliana. Não conhecia o livro, mas achei o mote instigante. Curto bastante thrillers, principalmente quando rola uma espécie de terror psicológico. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  18. Oii Eli. Eu quase comprei esse livro (por causa da promoção) , mas agora ao ler sua resenha me desanimei. Eu gosto de livros assim, que são fortes e a história é crua. Mas odeio gente que se submete a agressões. Definitivamente não é para mim :(
    Beijoos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. oi Lia!
    Adorei a resenha :)
    Já me identifiquei um pouco com a protagonista hahaha
    Quero ler o/

    Beijos
    ​​​​​LiteraMúsicas

    ResponderExcluir